segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Um olhar sobre a arte



A Arte e o Artista


A palavra Arte deriva do latim ars, significa técnica ou habilidade, é por isso o produto ou o processo para realizar determinadas habilidades. Na actualidade, a Arte é vista como uma actividade artística ou o produto da actividade artística, o que poderia ser o produto final da manipulação humana sobre uma matéria-prima.
Segundo Ernst Gombrich, famoso historiador de arte, nada existe realmente a que se possa dar o nome de Arte, existem somente artistas. A arte é vista, por este autor como o resultado dum fenómeno cultural. A arte pode ainda ser vista como sinónimo de beleza ou de uma Beleza transcendente. Assim sendo, Arte pode ser qualquer coisa que assim seja considerado por alguém, não delimitado à produção feita por um artista.
Os historiadores da Arte procuram determinar os períodos que empregam um certo estilo ou estética por movimentos artísticos. A arte regista ideias e os ideais das culturas e etnias, sendo assim importante, para a compreensão da História do Homem e do Mundo.
Muitas formas artísticas podem extrapolar a realidade, exagerando coisas normalmente aceites ou simplesmente criando novas formas de se perceber a realidade.
Em algumas sociedades as pessoas consideram que a Arte pertence à pessoa que a criou; que o artista usou o seu talento intrínseco na sua criação. Outra maneira de pensar: a arte é um talento do artista, o seu dom individual. Esta última perspectiva é aceite pelos Judeus, Cristãos e Muçulmanos. Outras sociedades vêm a Arte como algo pertencente à comunidade. Assim, estes detêm a convicção de que a comunidade deu ao artista o capital social para o seu trabalho. Nesta visão, a sociedade é um colectivo que produz a arte, através do artista, que apesar de não possuir a propriedade da arte, é visto como importante na sua concepção.
A arte pode ainda ser vista como o campo do conhecimento humano relacionado à criação e crítica de obras, que evocam a vivência e a interpretação sensorial, emocional e intelectual da vida, em todos os seus aspectos.
A Arte é um elemento que acrescenta algo à vida, está relacionada com a memória e a experiência. É uma nova realidade da representação humana, em que a sociedade passa a ser a obra-prima da arte e onde o conceito de beleza se encontra no ideal de perfeição e imitação da natureza. A grande vantagem é que as obras de arte não envelhecem, são eternas, documentam uma realidade, uma época, um momento que fica para toda a vida.
O objectivo do artista moderno é fazer das suas obras um prolongamento da sua vida e da vida que o rodeia. O ser humano sempre teve e necessidade de imortalizar os momentos mais importantes da sua vida. A arte nasceu para suprimir essa necessidade, acrescentando mais beleza a esses momentos.
A arte transforma a nossa maneira de pensar, pois faz-nos repensar as nossas posições sócio-culturais e artísticas. Ela procura a análise dos objectos de arte e percursos históricos, pois de alguma forma a arte interfere na sociedade e ao mesmo tempo, recebe influências do meio em que está inserida.
Actualmente fala-se muito da reprodutividade técnica, o que fez ver a arte de uma outra forma, tanto do ponto de vista do espectador, quanto do criador. Segundo Walter Benjamim, esta possibilidade multiplicativa da arte, fere os valores que vêm a obra como a continuação duma experiência religiosa. A arte seria suportada por 3 elementos: aura, valor de culto e autenticidade. Estes três valores geravam a noção de beleza sobre a qual a estética clássica repousava. A obra de arte sempre foi reproduzível, discípulos copiavam visando o exercício e falsários almejando ganhos materiais. A Fotografia gerou a primeira revolução no que diz respeito ao papel da criação artística. Pela primeira vez a mão libertou-se das tarefas artísticas essenciais, no que toca à reprodução de imagens, as quais, doravante, foram reservadas ao olho fixo sobre a objectiva. Actualmente, as técnicas de reprodução atingiram tal nível de perfeição, que acabaram por se impor como formas originais de Arte. A homogeneização da arte, através da reprodutibilidade técnica, pela diluição da cultura e estereotipação do saber, atende a interesses essencialmente financeiros
A Arte não é só fazer, é também esperar. Picasso possui uma arte múltipla e prolífica, que representa a afirmação da vida. Não só varia o tema, como também vê o quadro como um abismo onde ele se lança de cabeça e uma vez possuído repele-o. No que diz respeito à autenticidade, ainda que as novas técnicas de reprodução não alterem o conteúdo da obra de arte, desvalorizam o seu valor de autenticidade, pois o que faz com que algo seja autêntico, é tudo o que contém de originariamente intransmissível.
A obra de arte possui diametralmente dois valores básicos: o valor da obra de arte como objecto de culto e o valor como realidade capaz de ser exposta. A produção artística destinada ao culto, demonstra que tão só a presença dessas imagens, tem mais importância do que o facto de serem vistas. Assim, a obra de arte assume-se como um instrumento mágico e só posteriormente é reconhecida como obra de arte.
O filme modificou ainda mais intensamente as interpretações artísticas. Enquanto no teatro, a aura do actor e da plateia modificam o resultado no palco, no filme é entregue aos espectadores que não causam qualquer influência na representação. O filme não pode propiciar ilusão senão em segundo grau, após se ter realizado a montagem das sequências. As técnicas de reprodução aplicadas à obra de arte modificam a atitude das massas diante da arte. Para as massas um Picasso pode ser reaccionário e um Chaplin progressista. A característica de um comportamento progressista, reside no facto de o prazer do espectáculo e a experiência de vida correspondente, se ligarem de modo directo e íntimo, à atitude do conhecedor. Esta ligação tem importância social. À medida que diminui a significação social de uma arte, assiste-se no público um divórcio crescente entre o espírito crítico a fruição da obra.
Segundo Walter Benjamim, na década de 30, século XX, vivia-se o nazi-fascismo e uma esperança, a revolução socialista. A primeira havia transformado a política e a guerra em espectáculos artísticos. A estetização da política e da guerra, transformadas em obras de arte pela propaganda e pelos espectáculos de massa (danças, ginástica, discursos políticos, etc.) visavam tocar fundo nas emoções e paixões mais primitivas da sociedade. A reprodutibilidade técnica estava ao serviço da propaganda de mobilização totalitária das classes sociais, em torno do “grande chefe”. A revolução socialista e a emancipação do género humano, levaram a arte a perder de forma positiva a sua aura, em detrimento da democratização da cultura, como direito de acesso às obras artísticas por toda a sociedade, especialmente pelos trabalhadores. A arte deixava de ser um privilégio de uma elite, seria um direito universal.
Embora o nazi-fascismo tenha terminado com o fim da Segunda Guerra Mundial, a massificação propagandística não terminou com ele: foi incorporada pelo estalinismo e pela indústria cultural dos países capitalistas. Assim surgia a cultura de massas.
O artista é o verdadeiro criador da Arte. O homem cria objectos para satisfazer as suas necessidades práticas (arte utilitária), como meio de vida, para que o mundo saiba o que ele pensa, para divulgar as suas crenças ou as dos outros, para estimular e distrair-se a si mesmo e aos outros, bem como para explorar novas formas de olhar e interpretar objectos e cenas. Ele coloca na sua arte o que não consegue colocar na própria existência, pois foi por se sentir infeliz que Deus criou o mundo. A solidão é a parte da pena que todo o artista autêntico sofre, por ser diferente do resto dos seus colegas. Segundo Óscar Wilde, a forma de governo mais adequada ao artista é a ausência de governo. A autoridade sobre ele e a sua arte é algo ridículo.
Todo o homem que encara a vida de um ponto de vista artístico, sente que o seu cérebro passou a ser o seu coração. Ser artista, pressupõe “pensar” com o coração, pois quanto mais se raciocina, menos se cria. A verdadeira essência do trabalho do artista é despertar nos outros a emoção, é deixar os pincéis da sua alma, pintar a sua própria natureza e realidade.
O artista em sintonia com o universo, pode através da sua arte, produzir obras que encantam, comovem, despertam emoções e sentimentos. A artista tem um poder especial que vai além das pessoas normais. É capaz de se sintonizar com o universo e trazer um pouco da sua beleza para o mundo em que vivemos. Dominar uma arte, aproxima-nos do Criador, por isso aqueles que deixaram obras inesquecíveis, têm entre si um traço comum – a humildade. Quem pretende vencer na Arte tem de ter certos cuidados, como afastar-se de sentimentos menos nobres, de gente inconformada e amarga e aproximar-se dos verdadeiros artistas. O artista deve viver a vida de forma construtiva e não destrutiva, pois a destruição não combina com o universo, nem com a verdadeira arte.
Ao longo dos tempos o papel do artista tem sofrido grandes transformações, sendo de recordar que aqueles que viram a sua obra imortalizada, tiveram uma vida difícil, por vezes sem lhes ser reconhecido o mérito, enquanto vivos. Alguns passaram necessidades, eram verdadeiros mendigos, enquanto outros eram apadrinhados por grandes fidalgos e reis (mecenato). Actualmente, ser artista pressupõe risco e falta de apoio, o que leva a que muitos talentos escondidos assim o permaneçam. Os apoios são poucos ou quase nenhuns, o que provoca nesta classe grande descontentamento face a uma sociedade tão consumista e tão pouco cultural, um governo capitalista, que deixam adormecer os criadores no silêncio.
A vida do artista foi alvo de reflexão por parte de vários autores, como é o caso de Vergílio Ferreira. Para o autor, o artista é maior do que Deus, pois o artista já tinha criado, antes de criar e assim não teve surpresas. O escritor, por exemplo, escreve no infinito e assim realiza a sua criação. O que o artista encontra é sempre a procura que está para além de tudo. Para ele, o que a arte nos ensina não é puro discernimento, é a relação mais profunda de nós próprios com o mundo, é verdadeiramente “o ver”. Há sempre um modo de ver que é o mundo estético. O mundo não é meramente objectivo, nem neutro, não se pode anular a presença do sujeito. A visão que temos das coisas é a nossa visão do mundo.
Fiodor Dostoievski no “ Diário de um Escritor”, explica como é difícil e atormentada a vida dum escritor. Sob a pressão da sociedade, o jovem poeta sufoca na alma o seu natural anelo de espraiar-se em formas singulares, receia que condenem a sua “ ociosa curiosidade”, reprime essas formas que lhe brotam no fundo da alma, nega-lhes a vida e atenção e arranca de dentro, entre espasmos, o tema que à sociedade agrada. Há talentos notáveis que prometiam muito, mas a quem a tendência corroeu de tal modo que lhes encaixou um uniforme. É muito difícil explicar a quem acredita na liberdade de expressão, no perfeito e no ideal, que o mundo está corrompido pelo dinheiro, política e poder. Que os homens não têm liberdade, senão aparente e que aquilo que é verdadeiro, como a arte liberal, abale e atinja os poderosos do mundo, ao ponto de calarem quem os contradiga.
Para Thomas Mann em “Doutor Fausto”, o artista em todos os períodos da sua vida permanece mais próximo da sua infância, do estado sonhador de criança e isto torna-o mais humano.
Para Georg Hegel, em Fenomenologia do Espírito, o artista não produz uma essência igual a ele mesmo, a sua obra retorna para ele uma consciência, pois a multidão que contempla a obra, honra-a com os seus espíritos. A admiração dos outros, pressupõe uma confissão feita ao artista, de que a obra não é igual a ele. O artista sabe que a sua operação vale mais do que a sua compreensão e o discurso dos outros.
A Arte permite ao Homem imortalizar a sua existência, deixar o vestígio da Humanidade. Ser artista é quase uma expiação neste mundo, pois perante a circunstância de serem diferentes do normal, de possuírem a inquietude existencial, os porquês que não acabam, o desajustamento neste mundo tão controverso, leva-os a sentirem-se abandonados numa tarefa ingrata de se ser criador e visionário. Estes homens e mulheres, que vêm a essência do mundo são esquecidos. Foram ao longo dos tempos considerados loucos e lunáticos, porque vêm o que os olhos dos comuns dos mortais não vêm, a destruição do mundo e a beleza real do universo. Não pediram ser como são, é um dom de Deus, uma cruz pesada que têm de suportar!

1 comentário:

  1. O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.
    Contato: Carlos (editor)
    machadocultural@gmail.com
    http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile

    ResponderEliminar